Novas realidades forçam jornalistas a repensar coberturas de eventos policiais

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O agravamento da letalidade das operações policiais em vários países do mundo colocou profissionais autônomos e as empresas de comunicação diante do desafio de alterar as rotinas de cobertura jornalística. Dois fatores motivam esta revisão de políticas e comportamentos editoriais: o crescente belicismo das polícias e o impacto de vídeos, áudios e depoimentos de vítimas e testemunhas postados em redes sociais.

A imprensa norte-americana foi a primeira a perceber o desajuste entre a tradicional preferência dada às fontes da polícia, fazendo com que o noticiário fosse contaminado por um viés oficialista. A revista trimestral Nieman Reports, mantida pela respeitada Fundação Nieman, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, dedicou metade da segunda edição de 2021 ao tema “Redrawing the Line” (Revisando condutas, em tradução livre), propondo uma

Continue lendo no Observatório da Imprensa.