Descobri a história dos bicheiros gaúchos em 1993 batendo de porta em porta

Foto: Coletivo Pandilla

Não existe um manual que ensine como se faz jornalismo investigativo. A tecnologia da investigação jornalística é um saber que vai se desenvolvendo entre os repórteres durante o trabalho e vai sendo compartilhado entre eles nas redações e principalmente nas mesas dos botecos. O que sabemos ao certo é que não podemos desrespeitar a lei que protege a intimidade do investigado. A polícia tem o poder constitucional de fazer isso, obtendo, na Justiça, mandados de busca e apreensão e de escutas telefônicas. Nós podemos conseguir as mesmas informações por outros caminhos. Só que o trabalho é maior e exige uma grande dose de paciência e conhecimento do terreno em que estamos pisando. Esse nariz de cera que escrevi é uma conversa que uso nas minhas palestras para colegas pelas

Continue lendo no Observatório da Imprensa.