Bruno Covas trabalhou até morrer porque era o que o mantinha vivo

Continue lendo no Balaio do Kotscho.