Mandetta diz que Saúde não recomendou fabricação de mais cloroquina

Foto: Hugo Barreto/Metrópoles

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou, nesta terça-feira (4/5), que a decisão de produzir mais cloroquina não partiu do Ministério da Saúde. Segundo o ex-auxiliar do presidente Jair Bolsonaro, o Brasil já possui produção regular do medicamento e já dispunha de quantidade suficiente para aquilo a que se presta – que é tratar malária e lúpus.

“A única coisa em relação à cloroquina, após consulta ao Conselho Federal de Medicina e conselheiros ad hoc do ministério, foi o uso compassivo, que é feito quando não há outros recursos terapêuticos graves em ambiente hospitalar. Mesmo porque a cloroquina é uma droga, sim”, declarou Mandetta à CPI da Covid.

“Para uso indiscriminado, a margem de segurança é estreita. Não é aquela coisa: se bem não faz, mal não faz. Como todo medicamento, tem uma série de reações adversas, uma série de cuidados que têm que ser feitos.

Continue lendo no Blog da Cidadania.