Sobre desigualdade, discursos e a solidariedade entre os despossuídos, por Arnaldo Cardoso

É compreensível que após a presidência anômala do antecessor de Biden, que em vez de buscar união e cooperação apostou no confronto e na dissolução, hoje soe como música o discurso de Biden sobre os 100 dias de seu governo.

Continue lendo no Luis Nassif.