O manifesto que contestou a morte de Herzog

Foto do Octávio com 25 anos como aparece na carteirinha da ABI (Foto: Arquivo Pessoal)

O jornalista Octávio Costa tinha 25 anos em 1976 e recorda o momento em que foi repassado, de redação em redação, o manifesto contestando a conclusão do Inquérito Policial Militar para apurar o “suicídio“de Vladimir Herzog. Quem liderava o movimento no Rio era a Associação Brasileira de Imprensa, na figura do seu diretor Mauricio Azêdo (1934-2013). E muitos jornalistas assinaram.

A ABI exercia uma liderança sobre a classe, o estagiário chegava na redação de qualquer órgão de imprensa e já era sondado, no primeiro dia, a se filiar, e assim materializava o espírito de classe. Começava a pertencer. Era a entidade que representava os jornalistas, pelo menos no Rio. O sindicato só dividiria a preferência

Continue lendo no Observatório da Imprensa.