Após decisão de Fachin, militares têm a chance de mostrar a quem devem prestar continência

Foto: Sérgio Lima/AFP via Getty Images

A decisão do ministro Edson Fachin de anular as condenações do ex-presidente Lula pelo ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro traz à tona uma pergunta: como se comportarão desta vez os nossos militares? Aceitarão o resultado da Suprema Corte ou voltarão à cena política com novas ameaças institucionais?

Nos Estados Unidos, a atitude dos militares diante da invasão do Capitólio, um dos episódios mais emblemáticos do ocaso da era Trump, pode servir de exemplo às Forças Armadas brasileiras. É importante relembrá-lo para marcar a distinção de atitude de oficiais nos dois casos de insubordinação frente a crises políticas.

Em 12 de janeiro de 2021, os oito mais altos oficiais-comandantes das Forças Armadas dos EUA quebraram a premissa democrática fundamental de não atuação política, em uma carta sem precedentes na história daquele país. No documento, condenaram a

Continue lendo no The Intercept.