Biden, Bolsonaro, o passado e o futuro

Uma eleição para virar de vez a página de um governo corrupto, paranoico e trapaceiro. Assim foi em 1976, quando o democrata do estado da Georgia Jimmy Carter derrotou Gerald Ford, um vice inexpressivo que assumiu a  presidência quando Richard Nixon renunciou  em 1974, no auge do escândalo de Watergate. Infelizmente para Ford, que tentou se distanciar do legado infeliz de Nixon após ter concedido a ele um indulto que perdoava todos os seus delitos, a campanha foi pautada pelos desmandos éticos do republicano que havia ganhado a reeleição em 1972 de forma esmagadora. Enquanto Ford tentava se descolar do antecessor, Carter atribuía a Ford todos os fracassos e desgraças do governo Nixon. Por sua vez, Carter pregava “um governo tão honesto e decente e justo e competente e confiável e idealista quanto o povo americano.” Sua eleição seria como um exorcismo nacional.

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

Continue lendo na Revista Piauí.