Da indiferença ao apoio reverso: fios de esperança surgem nas urnas

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nas últimas semanas a pandemia e a política dividiram o tempo dos noticiários pelo país, infelizmente não com informações sobre o fim da primeira e a tranquilidade da segunda. Ontem (15) eleitores das pequenas e grandes cidades brasileiras saíram de suas casas para cumprir seu dever com a democracia, em uma eleição que deixa sua marca na história em duas frentes: a ausência de partidos carimbados dominando o pleito das prefeituras nas capitais (como PT, PSDB e o PSL, que na última eleição presidencial teve significativa relevância); e a alta taxa de abstenção, a maior nas últimas duas décadas.

Esse segundo fator já era até esperado, afinal, estamos chegando a nove meses desde que os cuidados para barrar a proliferação do coronavírus foram instaurados

Continue lendo no Observatório da Imprensa.