Ricos e encalhados

No Brasil, o poder dos caciques sobre as verbas dos partidos é um dos principais fatores para a falta de oxigenação da política. Recursos acabam sendo concentrados em alguns poucos candidatos, capazes assim de montar campanhas mais fortes. Os mesmos poucos nomes recebem incentivos para insistir nas mesmas velhas práticas. Nestas eleições municipais de 2020, contudo, houve exceções. Candidatos ricos não conseguiram sair do lugar em diversas cidades do país. Boa parte deles é do PSL, o partido que cresceu com a eleição do presidente Jair Bolsonaro em 2018, mas, menos de dois anos depois, já era um gigante disforme e esvaziado. Conheça alguns casos de candidatos ricos e encalhados:

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

 

São Paulo

A deputada Joice Hasselmann não fez nem um terço dos votos que conquistou na capital paulista dois anos atrás. Na disputa pela Prefeitura de São Paulo, Hasselmann obteve

Continue lendo na Revista Piauí.