Felizmente, Robinho, existe o movimento feminista

Felizmente existem mulheres como Débora Diniz. A antropóloga, colunista do EL PAÍS e ativista feminista reconhecida mundialmente não descansa no processo de dissecar as violências contra as mulheres. “Ler os diálogos de Robinho no processo judicial é como olhar pelo buraco da fechadura para a masculinidade perversa. Homens entre si exercitando a pedagogia da violência contra as mulheres”, Diniz escreveu, sintetizando os diálogos revelados pelo Globo Esporte que constam do processo que condenou o jogador na Itália por violação sexual grupal em primeira instância.

Seguir leyendo

Continue lendo no EL PAÍS Brasil.