‘Como vou sustentar a casa sem o auxílio?’: o relato de uma moradora da periferia do RJ

Foto: Dan Kitwood/Equipe via Getty Images

Conheci Lauderlândia Pereira, a “Irmã Neném”, no início de 2018, em minhas pesquisas com os evangélicos moradores de favelas de Campos dos Goytacazes, norte do Rio de Janeiro. Integrante de uma das dezenas de pequenas igrejas pentecostais da região, logo percebi que era uma das líderes religiosas do bairro onde morava. Mas sua atuação ultrapassava o templo pentecostal.

Dividia uma casa de cinco cômodos com os seis filhos, três meninas, com 14, 16 e 17 anos, e três meninos, com dois, 12 e 18 anos. O filho mais velho começava a trabalhar na construção civil. O neto de oito meses era o mais jovem integrante da família. Na casa sempre bem arrumada, de móveis simples, cujos quartos eram divididos por cortinas, a Irmã Neném costumava receber  cotidianamente vizinhos em busca de amparo e orações. Diarista,

Continue lendo no The Intercept.