Vivemos no país do “novo anormal”, mas a maioria parece satisfeita

Continue lendo no Balaio do Kotscho.