Mortos que o vírus não explica

Desde o início da epidemia de Covid-19, o professor universitário aposentado Raimundo Gondim e a mulher decidiram trocar Belém por um sítio a 80 km da capital. Ambos com 70 anos, sabiam que eram pacientes de risco. Uma irmã de Gondim morreu com a doença no fim de abril. Mas recentemente Gondim havia voltado para a capital com o objetivo de realizar uma avaliação cardiológica, marcada para segunda-feira, dia 18. No domingo, dia 17, acordou por volta das sete da manhã e foi direto ao banheiro. Do quarto, o enteado de Gondim, o motorista de aplicativo Bruno Toscano, acordou com um barulho de queda no banheiro e com os gritos da mãe pedindo ajuda. Quando chegou lá, encontrou o padrasto, que ele chama de pai, desacordado. Toscano ligou para pedir ajuda a seus irmãos enquanto a mãe ligava para o SAMU. Segundo Toscano, o serviço de emergência informou que só

Continue lendo na Revista Piauí.