Elogiar ditadores é a melhor maneira de a esquerda continuar perdendo

Na semana passada, o Brasil e o mundo se chocaram com a proximidade de um membro do alto escalão do governo à ideologia nazista. O inacreditável vídeo cheio de referências nazistas e o discurso que plagiou Goebbels, ministro das Comunicações de Hitler, derrubaram o secretário de Cultura Roberto Alvim. Enquanto isso acontecia, evidenciando o total despreparo e o apreço de setores do governo por regimes autoritários – algo que, sabemos, não vem de hoje e não é restrito ao nazismo –, parte da esquerda resolveu defender publicamente… outros regimes autoritários.

Parece inacreditável – e é. O historiador e influenciador marxista Jones Manuel não corou em falar publicamente que matar pessoas em uma revolução “é uma contingência que acontece”. Fuzilar uma família aqui, matar outros tantos milhões de fome ali, torturar e assassinar indiscriminadamente e promover o terror entre os dissidentes. Assim. Normal. Efeito colateral. Também

Continue lendo no The Intercept.