O império de Isabel

Conteúdo Original Agência Pública.

Esta reportagem faz parte do Luanda Leaks, projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, o ICIJ, com sede em Washington, DC. Participam do Luanda Leaks 120 profissionais do ICIJ e de 36 veículos de vinte países, que investigaram negócios da empresária Isabel dos Santos. No Brasil, participam do projeto a Agência Pública, a revista piauí e o site Poder360. Esta reportagem é de Sydney P. Freedberg, Scilla Alecci, Will Fitzgibbon, Douglas Dalby e Delphine Reuter.

Ela contou uma história em que o mundo queria acreditar: uma bilionária que se fez sozinha, que havia crescido em um mundo de negócios dominado por homens em um país africano devastado pela guerra civil e pela pobreza.

Em aparições públicas na primavera de 2017, Isabel dos Santos, então chefe da gigantesca companhia petrolífera estatal de Angola, Sonangol Group, conviveu com lendas de Hollywood na Riviera Francesa e encantou magnatas do petróleo em Houston com histórias de trabalho duro e realização. Vestindo seu blazer preto marca registrada na London Business School, a executiva-chefe de 44 anos disse a uma plateia lotada que os líderes deveriam ser escolhidos por seus méritos.

“Eu administro empresas há muito tempo, iniciando-as desde pequenas, formando-as, passando por todas as etapas necessárias para que uma empresa tenha êxito”, disse.

O que não foi mencionado em Londres é que ela foi instalada no cargo máximo da Sonangol por seu pai, José Eduardo dos Santos, o antigo autocrata angolano. Que, ao longo dos anos, ele havia concedido a suas empresas contratos públicos, incentivos fiscais, licenças de telecomunicações e direitos de mineração de diamantes. E que, enquanto ela falava à multidão de aspirantes a empresários, estava abrindo caminho para um de seus negócios mais descarados – a transferência de dezenas de milhões de dólares do monopólio estatal do petróleo para uma empresa de fachada controlada por seu parceiro de negócios no paraíso fiscal de Dubai.

Luanda Leaks, uma nova investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ na sigla em inglês) e 36 parceiros de mídia, expõe duas décadas de acordos corruptos que fizeram de Santos a mulher mais rica da África, e de Angola, país rico em petróleo e diamantes, um dos mais pobres da Terra.

Com base em mais de 715 mil registros financeiros e comerciais confidenciais e entrevistas com a TK, Luanda Leaks traz um estudo de caso de um problema global crescente: governantes ladrões, muitas vezes chamados de cleptocratas, e seus familiares e associados estão transferindo dinheiro público ilícito para jurisdições offshore sigilosas, muitas vezes com a ajuda de importantes empresas ocidentais. A partir daí, o dinheiro é usado para comprar propriedades, empresas e outros ativos valiosos, ou é simplesmente escondido, a salvo de autoridades fiscais e investigadores criminais.

“O movimento de dinheiro sujo por meio de empresas de fachada para o sistema financeiro internacional para ser lavado, reciclado e utilizado para influência política está se acelerando”, disse Larry Diamond, membro sênior da Hoover Institution da Universidade Stanford. “Isso aumenta o perigo de violência política e violações dos direitos humanos.”

A corrupção pública arrasa economias, corrói a fé na democracia e desvia dinheiro que poderia ser gasto em hospitais, escolas e estradas. A Transparência Internacional classifica Angola como um dos países mais corruptos do mundo. A expectativa média de vida é de apenas sessenta anos. Cerca de 5% das crianças morrem antes do primeiro aniversário.

Os documentos vazados sobre Luanda foram fornecidos ao ICIJ pela Plataforma de Proteção de Denunciantes na África (PPLAFF), grupo sediado em Paris dedicado à defesa de pessoas que denunciam irregularidades. O conjunto contém e-mails, memorandos internos das empresas da família Santos, contratos, relatórios de consultores, declarações fiscais, auditorias privadas e vídeos de reuniões de negócios. Os documentos, em português e inglês, remontam a 1980, mas abrangem principalmente a última década. Eles incluem descrições de casas palacianas em Lisboa e Mônaco e férias de luxo com avião particular e uma lancha. E-mails mostram subordinados preocupados com empréstimos bancários arriscados e consultores financeiros atendendo aos pedidos de Santos para pagar uma fatura do estilista de luxo Valentino e abrir uma nova conta bancária no exterior.

O ICIJ descobriu que Santos, seu marido e intermediários construíram um império com mais de quatrocentas empresas e subsidiárias em 41 países, incluindo pelo menos 94 em jurisdições sigilosas como Malta, Maurício e Hong Kong. Na última década, essas empresas conseguiram contratos de consultoria, empréstimos, obras públicas e licenças no valor de bilhões de dólares do governo angolano.

Santos e seu marido usaram esse arquipélago de empresas para investir em imóveis, energia e mídia, estratégia que evitou o escrutínio e reduzia os impostos. Documentos também mostram empresas ligadas ao casal desviando taxas de consultoria, empréstimos e contratos para empresas de fachada que eles controlam nas Ilhas Virgens Britânicas, na Holanda e em Malta.

Eles também garantiram grandes participações em bancos, permitindo-lhes financiar esse império mesmo quando outras instituições financeiras recuaram, por preocupações sobre os vínculos entre Santos e o Estado angolano.

Em um caso identificado pelo ICIJ, milhares de famílias foram despejadas à força de suas casas em Luanda em terras que faziam parte de um projeto de reconstrução envolvendo uma empresa de Santos.

A piora da reputação da família não assustou contadores e consultores renomados, que continuaram trabalhando para empresas ligadas a Santos, segundo o ICIJ. Grandes empresas e governos como os da China e Holanda continuaram a injetar dinheiro nos empreendimentos da família.

Autoridades do governo angolano disseram ao ICIJ que estão investigando se Santos e associados saquearam centenas de milhões de dólares das empresas estatais de comércio de petróleo e diamantes. Isso inclui um depósito de US$ 38 milhões da Sonangol em uma conta bancária em Dubai em novembro de 2017, transferência ordenada horas depois que o novo presidente de Angola demitiu Santos de seu cargo na direção da companhia estatal de petróleo.

As autoridades também disseram que os contratos públicos concedidos pelo regime de seu pai às empresas foram inflacionados em mais de US$ 1 bilhão.

Em dezembro, duas semanas após o ICIJ questionar o governo de Angola sobre os negócios de Santos, um tribunal angolano congelou seus principais ativos, incluindo bancos, uma empresa de telecomunicações e uma cervejaria. O governo está tentando recuperar US$ 1,1 bilhão, que diz ser devido por Santos, seu marido e um associado próximo do casal.

Por meio de seus advogados nos Estados Unidos, Quinn Emanuel Urquhart & Sullivan, Santos e seu marido, Sindika Dokolo, negaram irregularidades e disseram que não lucraram com conexões políticas.

Carter-Ruck, um escritório de advocacia do Reino Unido que representa Isabel dos Santos, disse que a empresária negou todas as irregularidades, incluindo quaisquer alegações de saques, fraudes, sobrepreço de contratos e outros desvios.

O escritório de advocacia disse em uma resposta de dez páginas que Santos não usou veículos offshore para evitar o pagamento de impostos. Ela negou que qualquer de suas empresas tenha demitido funcionários. E afirmou que os pagamentos em Dubai foram por serviços legítimos de consultoria encomendados e recebidos pela companhia estatal de petróleo.

Em entrevistas recentes, Santos, cuja fortuna é estimada em cerca de US$ 2 bilhões, disse que o governo está numa “caça às bruxas” contra sua família. Ela negou que os contratos fossem manipulados a seu favor ou que tenha gozado de favoritismo quando seu pai era presidente.

Logo após o congelamento de ativos, Santos postou uma mensagem no Twitter para tranquilizar seus seguidores e funcionários. Ela condenou a ação do governo como motivada politicamente.

“Isso é perseguição política”, disse Santos na semana passada em entrevista à BBC, parceira do ICIJ. “Minhas participações são comerciais. Não há proventos de contratos ou contratos públicos, ou dinheiro que foi desviado de fundos públicos.”

Dokolo disse à Radio France Internationale, um dos parceiros do ICIJ na França, que o governo angolano está visando injustamente a ele e sua mulher.

“Eles querem nos culpar por toda a corrupção e falência em Angola”, disse Dokolo. “Pagamos impostos na Europa e somos o maior contribuinte de Angola. Trabalhamos e investimos muito neste país, mais do que muitos outros.”

O pai de Santos e ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, não respondeu aos pedidos de entrevista do ICIJ.

A filha do “Camarada Número Um”

Isabel dos Santos, 46 anos, nasceu em uma cidade petrolífera do Azerbaijão, Baku, onde seus pais se conheceram enquanto frequentavam uma universidade estatal dedicada ao petróleo e à química.

Sua mãe, Tatiana Kukanova, russa, estudava geologia. Seu pai – o futuro presidente angolano e “Camarada Número Um” – era então um líder guerrilheiro exilado do Movimento Popular pela Libertação de Angola (MPLA).

Em 1975, a colônia portuguesa se tornou uma das últimas colônias da África a obter independência. José Eduardo dos Santos voltou para casa com sua mulher e a filha. Kukanova foi trabalhar na Sonangol, a recém-formada empresa petrolífera nacional, em rápido crescimento. Um ex-executivo lembra-se de ver Isabel no escritório sentada no colo da mãe.

José Eduardo rapidamente subiu nas fileiras do MPLA, hoje no poder.

A morte do primeiro presidente angolano, Agostinho Neto, levou o ex-guerrilheiro ao poder em 1979. Com uma guerra civil brutal dividindo o país, José Eduardo agiu rapidamente para consolidar o controle, colocando amigos em cargos importantes. Ele adquiriu poderes quase ditatoriais, inclusive sobre a Sonangol.

A empresa petrolífera se tornaria um pilar do regime e da economia angolana, respondendo por mais de 90% da receita total de exportação. O petróleo pagou por tudo – estradas, pontes, importação de alimentos e forças militares.

O casamento com Kukanova não durou. Em 1978, Santos teve um filho, José Filomeno, em um relacionamento paralelo. No ano seguinte, Kukanova mudou-se com a filha para Londres. Isabel passou a adolescência frequentando uma escola preparatória de elite e seguiu para o King’s College London, onde recebeu um diploma de engenheira. Seus gerentes financeiros, como mostram os documentos vazados, mais tarde se referiram a ela como “A Engenheira”.

Em 1992, o presidente Santos modificou a Constituição angolana para assegurar que o presidente não poderia ser processado por nenhum ato oficial, “exceto em caso de suborno ou traição à pátria”. A nova linguagem abriu caminho para que ele desse bens públicos à família e aos amigos. Santos tratou Angola “como sua fazenda pessoal”, disse ao ICIJ Salvador Freire, um dos principais advogados de direitos humanos em Luanda.

Sua filha mais velha foi a principal beneficiária.

Em 1999, o presidente criou a Angola Selling Corp., com uma licença exclusiva para comercializar diamantes, outro pilar da economia do país. Ele deu a outra empresa – controlada por Isabel dos Santos e sua mãe – uma participação de 24,5% na Angola Selling Corp.

Um ano depois, o presidente Santos emitiu uma licença de telecomunicações móveis extremamente valiosa, uma das primeiras do país, para uma empresa chamada Unitel. Entre seus proprietários e fundadores, Isabel dos Santos.

“Nossa proposta foi uma das mais ousadas e agressivas”, afirmou ela.

Boa vida em Lisboa

Em dezembro de 2002, centenas de convidados lotaram uma catedral do século XVII em Luanda para presenciar o casamento de Isabel dos Santos, então com 29 anos, com Sindika Dokolo, 30, um rico empresário e colecionador de arte congolês. Apaixonado por Porsches, basquete profissional americano e arte africana, o extrovertido Dokolo se tornaria um parceiro comercial importante para sua mulher e seu defensor. Ela é um “general no campo de batalha”, disse ele em uma entrevista em 2017.

Aos 30 anos, Santos possuía apartamentos de luxo em Londres e Lisboa avaliados em milhões. Ela gostava de coisas ocidentais: mostras de arte em Miami, moda Dolce & Gabbana, fins de semana em Paris. E permaneceu próxima a seu pai. Nas reuniões de família, às vezes os dois pegavam violões e tocavam juntos. Em uma entrevista na tevê anos depois, ela disse que desde seu primeiro dia na escola, quando seu pai segurou sua mão e lhe deu coragem, ele permaneceu uma “grande fonte de inspiração”.

As conexões de seu pai abriram portas para um de seus relacionamentos comerciais mais importantes: o bilionário português Américo Amorim. Ele havia começado no negócio de cortiça de sua família antes de se expandir para energia, imóveis e bancos.

Com a alta do petróleo gerando demanda para novas instituições financeiras, Amorim e a filha do presidente se uniram para lançar o Banco BIC S/A em 2005. Hoje, ele é um dos maiores bancos de Angola, com US$ 4,2 bilhões em ativos. Os sócios posteriormente seguiram para cimento, imóveis e energia.

Para administrar seu império crescente, Isabel dos Santos e o marido montaram uma base operacional no Centro de Lisboa, na elegante Avenida da Liberdade, acima de uma loja Louis Vuitton. Mario Filipe Moreira Leite da Silva, um contador que antes trabalhou na PwC, uma das quatro grandes empresas de auditoria do mundo, juntou-se à sua empresa de administração financeira, Fidequity, e encarregou-se de suas finanças.

O contador Silva, que um canal de notícias português chamou de “uma das pessoas mais poderosas do país”, se tornaria um consultor e solucionador de problemas para o casal, e diretor em mais de uma dúzia de suas empresas. Para o trabalho jurídico, Santos recorreu a Jorge Brito Pereira, um importante jurista que na época era sócio do poderoso escritório de advocacia PLMJ, sediado em Lisboa.

Em 2005, Amorim e a Sonangol fecharam um acordo que daria ao casal uma participação valiosa em uma empresa de energia, por uma pechincha. Foi o primeiro grande acordo internacional. O bilionário português e a companhia petrolífera estatal angolana formaram uma empresa de investimentos, Amorim Energia BV, que comprou um terço da poderosa empresa portuguesa Galp Energia.

“A ideia do acordo foi de Isabel”, disse seu marido à Radio France Internationale, parceira do ICIJ na França. “O objetivo era trabalhar em toda a cadeia [de fornecimento de petróleo], da produção às bombas, incluindo as refinarias”, disse Dokolo. “A Sonangol não tinha conexões nem habilidades para elaborar um plano de negócios tão ambicioso.”

A joint venture Amorim-Sonangol nomeou Dokolo para seu conselho. Santos tinha “influência significativa” na empresa, de acordo com um relatório confidencial sobre seus ativos preparado por seus consultores financeiros.

Um ano depois, a Sonangol vendeu 40% de sua participação na joint venture para a empresa suíça de Dokolo, Exem Holding AG. O preço de compra foi de US$ 99 milhões, mas a Sonangol concordou em emprestar à Exem a maior parte do dinheiro necessário para concluir a venda, recebendo apenas US$ 15 milhões antecipadamente.

Na entrevista à BBC, Santos disse que o acordo beneficiou todos os lados. “Este investimento gerou um grande retorno para todas as partes que investiram em conjunto”, disse ela. “Não há malfeitos.”

Dokolo disse ao ICIJ que o empréstimo foi totalmente saldado em 2017. A Sonangol disse que recusou o pagamento oferecido em moeda angolana como uma violação do acordo, e considera o saldo em aberto.

A Sonangol não explicou por que concordou em vender a participação na lucrativa joint venture ao genro do então presidente.

Hoje a participação vale aproximadamente US$ 800 milhões.

Jogos de fachada

A fortuna de Isabel dos Santos estava crescendo. Seus assessores procuraram maneiras de protegê-la. Em 2009, seu império comercial expandiu-se para incluir participações em bancos e empresas de mídia portuguesas, o que lhe proporcionou milhões de dólares em dividendos.

Ela reformou sua cobertura duplex de US$ 2,5 milhões em Lisboa. Uma fatura vista pelo ICIJ mostrou US$ 50 mil de gastos em cortinas, US$ 9.200 em espreguiçadeiras e quase US$ 7.500 em equipamentos de ginástica da Harrods. Seis anos depois, ela comprou um segundo apartamento por US$ 2,3 milhões, embora os registros imobiliários locais não indiquem se as duas unidades foram fundidas em uma.

Durante a década seguinte, a equipe de Santos montaria empresas de fachada em muitos paraísos fiscais, mas rapidamente adotou um favorito: Malta. A pequena nação mediterrânea é notória pela negligência na aplicação de leis contra a lavagem de dinheiro. Entre os documentos do Luanda Leaks, há um guia de dezesseis páginas sobre as vantagens fiscais de Malta, escrito pelos advogados de Santos no escritório PLMJ. O folheto de 2015 explica como, ao incorporar uma empresa em Malta, um cliente pode iniciar um negócio e coletar dividendos, juros e royalties sem pagar impostos retidos na fonte.

A equipe de Santos contratou o escritório da PwC em Malta para auditar as contas da empresa. A PLMJ e a PwC se recusaram a comentar sobre os serviços prestados às empresas de Santos.

A equipe também contratou um staff local de estrelas, incluindo um ex-executivo-chefe da Autoridade de Serviços Financeiros de Malta e um ex-membro do Parlamento para atuar como diretores de empresas de fachada de Santos.

Isabel dos Santos e seu marido usaram uma empresa de fachada maltesa, Athol Limited, para comprar um apartamento de US$ 55 milhões em Monte Carlo, mostram documentos. A propriedade de 700 metros quadrados ficava no sexto andar de um complexo de luxo chamado La Petite Afrique, com vista para o Mar Mediterrâneo.

Em 2012, Dokolo incorporou duas empresas em Malta para adquirir o controle de uma joalheria suíça de luxo em dificuldades, chamada De Grisogono. Seu sócio no negócio foi a agência de comércio de diamantes de Angola, Sodiam, coproprietária das entidades maltesas.

A ideia de Dokolo era criar uma empresa que controlasse a indústria de diamantes de Angola da mineração à lapidação e ao comércio, disse ele ao ICIJ por intermédio de seus advogados.

A Sodiam financiou a maior parte da aquisição e emprestou à empresa de joias mais de US$ 120 milhões, segundo mostram registros. Dokolo – que mais tarde investiu seus próprios fundos na joalheria suíça, tinha “controle total da administração”, segundo um rascunho do acordo de acionistas nos documentos vazados.

Na entrevista à RFI, Dokolo disse que o uso de jurisdições offshore é uma necessidade comercial. “É muito difícil para alguém de Angola ou [República Democrática do] Congo, que são países completamente barrados nos mercados europeus, abrir uma conta bancária em solo europeu”, afirmou. “Se você é como eu, uma pessoa politicamente exposta desde 2001, é quase impossível. Posso ser criticado por usar veículos financeiros localizados em paraísos fiscais, mas isso é ilegal?”

O império de empresas de fachada do casal cresceu constantemente. Em março de 2013, eles criaram ou investiram em, pelo menos, 94 empresas em dezenove países. Um terço dessas eram de fachada.

Naquele mês, Isabel dos Santos foi nomeada para a Lista Mundial de Bilionários da revista Forbes.

Entre as pessoas listadas, ela era a mais jovem e a única mulher da África.

Ambição e despejo

Quando fez 40 anos, Isabel dos Santos já tinha acumulado grandes participações na mídia, em bancos, energia, varejo e outros setores. Ela possuía 25% da Unitel, empresa de telefonia móvel que lançou depois que seu pai lhe deu a primeira licença de operação do país. A Unitel se transformou em uma máquina de dinheiro. De 2006 a 2015, pagaria mais de US$ 5 bilhões em dividendos aos acionistas, segundo calculou o ICIJ.

Santos possuía participações em dois bancos portugueses, o BIC e o BPI, um grupo de comunicações chamado ZON Multimédia e sua afiliada, ZAP, um serviço de tevê via satélite. Ela controlava o maior produtor de cimento de seu país, Nova Cimangola. Estava se preparando para lançar a Candando, uma rede de supermercados, e a Sodiba, empresa de bebidas que distribuía uma cerveja angolana chamada Luandina.

Santos era agora uma das principais forças econômicas em Angola; suas empresas empregavam milhares de pessoas. Em Luanda, os consumidores logo carregavam sacolas da Candando, assistiam à tevê ZAP e saboreavam a cerveja Luandina. Lojas Unitel pintadas em laranja estavam por toda parte.

Ela se apresentava como um sucesso de espírito público, feita por si mesma.

Em 2013, logo após ser nomeada bilionária, ela disse ao Financial Times que seu espírito empreendedor remonta aos 6 anos de idade, quando iniciou seu primeiro negócio, vendendo ovos de galinha para sustentar seu vício em algodão doce.

“Sou alguém que acorda de manhã bem cedo, sai para o campo, calça as botas”, disse Santos recentemente à BBC. “Eu construo coisas, se necessário. Se eu precisar carregar caixas com minha equipe e precisarmos colocá-las nas prateleiras, eu as colocarei nas prateleiras dos meus supermercados.”

Em Luanda, sua cidade natal, Santos vinha acumulando edifícios e outras propriedades há anos e trabalhando em seu próximo grande empreendimento: um extenso projeto de renovação urbana.

Em entrevistas posteriores, Santos disse que não reconhecia mais a cidade de sua infância e queria melhorá-la. A guerra civil forçou milhões de pessoas a se mudar do campo cheio de minas terrestres para áreas urbanas. Havia favelas por toda parte.

Santos disse que queria uma Luanda com amplos bulevares, espaços verdes abertos e uma costa extensa repleta de arranha-céus.

“O que realmente queremos ver é que as pessoas que vivem nas cidades africanas em barracos passem a morar em lares”, disse ela.

Refazer uma cidade exigia ajuda externa.

No início de 2013, representantes de sua empresa imobiliária e de gestão de obras, Urbinveste, começaram a se reunir com executivos da gigante holandesa Van Oord Dredging & Marine Contractors BV, de acordo com e-mails confidenciais e outros documentos.

Os parceiros holandeses e angolanos discutiram um trabalho de dragagem e construção que incluiria ilhas artificiais, uma nova praia, um porto pesqueiro e uma estrada costeira. Mais tarde, ela disse que o plano envolvia “dragagem altamente especializada e recuperação de terras” e que “não havia necessidade de despejar ou realocar nenhum morador ou comunidade”. O projeto seria realizado em “100% de terras recuperadas do mar”. O custo totalizaria US$ 1,3 bilhão.

Mapas do Luanda Leaks mostram que o projeto cortou uma vibrante comunidade pesqueira de 50 anos e algumas das melhores praias de Luanda. Lar de cerca de 3 000 famílias, seu nome era Areia Branca.

O consórcio chefiado por Santos conseguiu a aprovação.

Antes do amanhecer em um sábado de junho de 2013, soldados, policiais e membros da guarda presidencial avançaram para Areia Branca. Os moradores foram despejados e escavadeiras começaram a demolir as casas, de acordo com reclamações e cartas compiladas pela organização sem fins lucrativos SOS Habitat, sediada em Luanda. O bairro foi arrasado.

“Não houve nada; nenhum aviso ou notificação, nada”, lembrou Talitha Miguel, professora de 41 anos, em entrevista ao Trouw, parceiro de mídia holandês do ICIJ. “Parecia um massacre.”

Reputação sob ataque

Em 12 de junho de 2013, menos de duas semanas após os despejos em Areia Branca, Santos enfrentou uma pergunta sobre uma grande transferência de dinheiro. A Unitel havia feito US$ 460 milhões em empréstimos no ano anterior para uma empresa holandesa de fachada chamada Unitel International Holdings, que mais tarde revelou ser propriedade de Santos.

Luis Pacheco de Melo, representante da PT Ventures, um dos quatro sócios na Unitel, perguntou em uma assembleia geral se o conselho administrativo assinara o acordo. Santos disse a ele que os empréstimos foram aprovados adequadamente, de acordo com a ata da reunião da diretoria.

Melo não foi o único a indagar sobre as finanças da família. Um agente encarregado de registrar as empresas das Ilhas Maurício para a companhia de telecomunicações de Santos achou que nos documentos faltavam informações sobre sua “fonte de riqueza”.

Uma transferência de US$ 1,3 milhão para uma empresa de fachada de Dokolo nas Ilhas Virgens Britânicas surpreendeu um contador suíço. Contadores em Malta não conseguiram encontrar contratos de milhões de dólares em empréstimos do governo angolano à joalheria.

Na Ilha de Man, John Murphy, diretor local de uma empresa de fachada que costumava adquirir imóveis em Londres, descobriu um crédito misterioso de US$ 50 milhões em seu extrato bancário. “Isso nos preocupa seriamente”, disse Murphy num e-mail de agosto de 2015 a um advogado de Santos.

Ele renunciou logo depois.

Segundo os documentos, os bancos ocidentais começaram a recuar. Reguladores no mundo todo vinham restringindo instituições financeiras que não examinavam cuidadosamente funcionários públicos e pessoas ligadas a eles. Os bancos e os reguladores financeiros consideram esses clientes, conhecidos como “pessoas politicamente expostas”, ou PEPs na sigla em inglês, como riscos de lavagem de dinheiro.

Em 2012, o Citigroup Global Markets Limited abandonou subitamente um acordo de investimento vinculado a Isabel dos Santos; mais tarde, o gigante bancário pagou US$ 15 milhões como parte de um acordo confidencial. O Barclays Bank conseguiu um acordo semelhante um ano depois. Ambos os bancos estavam reagindo a preocupações sobre os acionistas da empresa, incluindo Sonangol e Exem Energy, segundo documentos.

Os e-mails mostram que a equipe financeira de Santos teve dificuldade para encontrar bancos que se dispusessem a cuidar de seus negócios em expansão.

“Estou um pouco preocupado com o Deutsche”, escreveu Konema Mwenenge, um dos assessores mais próximos de Dokolo, referindo-se ao Deutsche Bank. “Sindika teve contas no Deutsche no passado e [elas] foram fechadas. Eles também bloquearam alguns de seus pagamentos quando atuaram como bancos correspondentes de vários beneficiários.”

A companhia de fundos holandesa Intertrust e o banco ING fecharam contas de empresas ligadas a Santos e Dokolo que investiram na Galp.

Um diretor da empresa de Santos disse a outro em um e-mail que um banco havia dito que as autoridades holandesas estavam examinando suas empresas e impondo requisitos de “diligência extremamente complexa”.

Um executivo de Santos reclamou com outro que o gigante espanhol Banco Santander “corria como o diabo da cruz” por causa da situação dela de pessoa politicamente exposta.

Em setembro de 2013, a reputação de Santos sofreu um grande golpe público. Num artigo escrito por Kerry A. Dolan, redatora da equipe, e Rafael Marques, jornalista e ativista, a revista Forbes relatou que Santos havia explorado sua situação de “primeira-filha” em Angola com o fim de acumular uma fortuna que a revista então avaliou em US$ 3 bilhões.

“O melhor que podemos rastrear”, dizia a reportagem, “todo grande investimento angolano realizado por Santos decorre ou de tomar um pedaço de uma empresa que quer atuar no país ou de um golpe de caneta do presidente que a colocou no negócio.”

Para combater as más notícias, Santos contratou o consultor de relações públicas mais conhecido de Portugal, Luís Paixão Martins e sua empresa, a LPM Communication, especializada no que chamava de “gerenciamento de reputação online”, “venda de reportagens” e “treinamento em mídia”.

Os agentes de relações públicas divulgaram as conquistas empresariais e filantrópicas de Santos. Ela deu entrevistas e começou a participar de debates em eventos corporativos de alto nível.

Em 2015, ela abriu uma conta no Instagram que logo se tornaria seu cartão de visitas online e hoje alcança quase 190 mil seguidores com trechos de notícias e sabedoria caseira. Naquele mês de julho, Santos postou sobre seu mais recente negócio, um shopping center aberto no subúrbio de Luanda, e disse que criaria seiscentos novos empregos. Ela acrescentou:

“Trabalhe e construa… é assim que os sonhos se realizam.”

Os bancos recuam

Enquanto Isabel dos Santos tentava recuperar sua reputação, a disputa com o acionista dissidente da Unitel se tornou pública.

A PT Ventures entrou com uma queixa de arbitragem na Câmara de Comércio Internacional em Paris, alegando que os acionistas angolanos da Unitel haviam retido indevidamente assentos na diretoria e dividendos. Também alegou que centenas de milhões em empréstimos feitos à empresa holandesa de Santos faziam parte de um “esquema para saquear a Unitel de seus ativos… em benefício de Isabel dos Santos, filha do presidente de Angola”.

Os documentos do Luanda Leaks mostram que Santos assinou os empréstimos duvidosos como tomador e credor.

A Unitel não pôde legitimar que seu conselho havia aprovado os empréstimos. A empresa de Santos negou as acusações de saque e disse que todas as decisões foram tomadas “no melhor interesse da Unitel”.

Cada vez mais excluído do mundo financeiro ocidental da corrente dominante, o império de Santos precisava de capital. Uma Isabel desafiadora culpou o preconceito antiafricano e prometeu construir “uma verdadeira rede africana” de bancos como alternativa.

“A África foi cortada das instituições financeiras”, disse Santos a estudantes de economia em Londres em 2017. “Há muita discriminação”, disse ela. “Decidimos assumir nós mesmos a construção desses bancos.”

Cada vez mais, ela se apoiava em sua rede africana, incluindo o Banco BIC Cabo Verde. O banco, do qual era sócia, ajudou suas empresas a movimentar grandes somas – e viu os lucros dispararem. De 2013 a 2017, o banco transformou um prejuízo de 1,7 milhão de euros (US$ 2,3 milhões) em um lucro de 12,9 milhões de euros (US$ 15,5 milhões), segundo a Finance Uncovered, parceira do ICIJ.

Na Europa, Santos confiava no último banco que permaneceu amigável com suas empresas: o Banco BIC Português (hoje EuroBic), no qual ela possuía quase a metade das ações.

O então presidente do banco, Fernando Teles, era um parceiro de negócios de Santos.

Quando o marido de Santos pediu um empréstimo de US$ 11,9 milhões para sua empresa de joias De Grisogono, Mario Silva, gerente de negócios do casal, confirmou que o financiamento seria concedido. Ele disse que Teles poderia receber mais empréstimos bancários.

Teles não respondeu a pedidos de comentários.

O Banco BIC também passou por escrutínio do governo.

Em 2015, os reguladores do banco central português começaram a investigar denúncias de interesses escusos, juntamente com centenas de transações de “alto risco” no Banco BIC, algumas envolvendo Santos, de acordo com um relatório confidencial do banco central, obtido por Expresso, parceiro português do ICIJ.

Os reguladores investigaram procedimentos frouxos contra lavagem de dinheiro, diligência inadequada sobre pessoas politicamente expostas – incluindo Santos, seu marido e sua mãe – e um empréstimo preferencial de US$ 11,9 milhões a Dokolo para a De Grisogono.

Eles descobriram que o banco falhou em monitorar transferências multimilionárias de Angola para empresas europeias ligadas a Santos, seu marido e sócios.

“O sistema de controle interno do banco é INEXISTENTE”, concluiu o relatório.

Nem Santos nem mais ninguém foi acusado de transgressão. Em comunicado ao ICIJ, um porta-voz do Banco de Portugal, o banco central, disse que os reguladores ordenaram que o Banco BIC reforçasse os procedimentos.

Em uma recente entrevista a um veículo português, Santos criticou a cobertura pela mídia do inquérito bancário