Fundão de R$ 2,5 bi continua sendo indignidade

Dignidade é mais ou menos como virgindade. Perdeu está perdida. Não dá segunda safra. Os parlamentares começaram a se comportar de forma indigna quando imaginaram que seria uma boa ideia reservar para as eleições municipais do ano que vem um valor superior à cifra de R$ 1,7 bilhão que foi aplicada nas eleições gerais de 2018.

O governo se associou à indignidade ao propor um fundo eleitoral de R$ 2 bilhões. O Congresso evoluiu para o escárnio quando os líderes e presidentes de 13 partidos, representando 430 dos 513 deputados e 61 dos 81 senadores, dobraram a aposta, pedindo um fundão eleitoral de R$ 4 bilhões.

O relator do Orçamento da União para o ano de 2020, deputado Domingos Neto, aplicou um redutor na insanidade, mas orçou a loucura em R$ 3,8 bilhões. Agora, os líderes negociam um valor menor como se fizessem um favor à sociedade.

Jair Bolsonaro

Continue lendo no Blog do Josias.