Os dilemas do jornalismo aos ataques de Bolsonaro

(Foto: Agência Brasil – Wilson Dias)

O jornalismo tradicional – representado pela grande mídia – tem sido exposto a toda sorte de contradições que explicitam os movimentos da história recente do país: do campo semântico que separa a Lava Jato da Vaza Jato à cobertura seletiva de fatos políticos e denúncias, os últimos tempos têm exposto fragilidades de uma prática comprometida e pouco transparente. Agora, quando se aproxima o primeiro ano do governo Bolsonaro, é possível identificar nas coberturas um pêndulo que oscila entre uma boa vontade acrítica em relação às políticas econômicas de Paulo Guedes e a cada vez mais difícil tentativa de normalizar os absurdos diários proferidos pelo presidente e sua entourage.

O resultado é a tendência em criar manobras retóricas para elucidar o atual estado de


Continue lendo no Observatório da Imprensa.