Querer comparar Lula a Bolsonaro é como equiparar Obama a Trump

“Dividir por dois e polarizar, na esperança de que isso torne as coisas fáceis, é uma distorção cognitiva. Na prática, as dicotomias alimentam simplificações falsas e complicam ainda mais o cotidiano” .

(Sergio Vilas-Boas, pensador e escritor).

***

Em marcha batida a caminho da irrelevância, a capa revista Veja desta semana com o título “A era dos extremos” desfralda novamente a bandeira da “terceira via” para enfrentar a “polarização entre Lula e Bolsonaro”.

Nada de novo. Já fizeram a mesma coisa na campanha eleitoral do ano passado em busca de um “candidato competitivo” para enfrentar “os dois extremos”.

Sem encontrá-lo, já que todos foram ficando pelo caminho, embarcaram na aventura bolsonarista para derrotar o PT.

Deu no que deu.

A libertação de Lula, há uma semana, deixou tão irados os defensores do “centro” (leia-se tucanos, centrões e adjacências) que eles perderam qualquer racionalidade nos seus argumentos para combater o líder

Continue lendo no Balaio do Kotscho.