Traição, a palavra mais dita em Brasília, ontem

Ontem foi dia de gravações divulgadas, tuítes presidenciais apagados, um dia em que predominou a palavra traição e, do qual, ninguém conseguiu sair se dizendo vencedor. O partido do presidente Jair Bolsonaro está derretendo num ritmo veloz. O primeiro traidor foi o deputado federal Daniel Silveira, do Rio — o mesmo que, candidato, quebrou a placa com o nome da vereadora Marielle Franco. Ele se infiltrou em uma reunião do lado bivarista do PSL para gravar o que conseguisse. “Fiz porque queria…


Continue lendo no Canal Meio.