“Criei o Waze para resolver a perda de tempo no trânsito, mas agora vejo que o problema é pior”

Alguns anos atrás, Uri Levine precisou que o acompanhassem ao aeroporto de Tel Aviv (Israel). “Pedi ao meu filho, mas ele respondeu que não podia porque estava com o celular quebrado”, conta. “Também não é para tanto, eu disse, estarei no carro e te guiarei até lá”, acalmou o Levine. Mas o filho não estava convencido: “E como volto para casa?”

Seguir leyendo.


Continue lendo no EL PAÍS Brasil.