A repercussão das ofensas e atos de Bolsonaro na ONU

(Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Foi um acontecimento inédito na história da Organização das Nações Unidas, que provocou surpresa e espanto, ao se saber que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro tinha feito uma declaração ofendendo a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, agora dirigindo a Comissão de Direitos Humanos, e defendido a antiga ditadura chilena do general Augusto Pinochet.

Ainda hoje é esse o tema principal nos cafés e corredores da ONU. Entende-se. Mesmo nos momentos mais críticos entre contendas de países reunidos em Genebra, na ONU, nunca foram esquecidas as regras protocolares e jamais houve ofensas de ordem pessoal e muito menos envolvendo familiares.

O presidente Jair Bolsonaro infringiu as regras e tradições protocolares dentro da mais importante organização mundial, a ONU. Foi uma indecência, comentam alguns jornais, ao reportar a maneira como Bolsonaro se referiu ao pai da ex-presidente chilena, vítima do


Continue lendo no Observatório da Imprensa.