Dallagnol não atende padrão ético que cobra de políticos e empresários

Procurador da República é função de Estado, não de governos ou partidos. O áudio em que Deltan Dallagnol celebra a censura de uma entrevista de Lula à “Folha de S.Paulo” evidencia uma atuação política do procurador da República, que deveria agir tecnicamente.

Revelado ontem pelo “The Intercept Brasil”, esse áudio foi enviado na noite de 28 de setembro de 2018 a procuradores que discutiam num grupo do Telegram estratégias jurídico-políticas para evitar a volta do PT ao poder, impedindo a eleição do então candidato Fernando Haddad.

Além da torcida política inapropriada para quem exerce função de Estado, Dallagnol revelou aos colegas ter tido conhecimento prévio da liminar que o ministro do STF Luiz Fux daria para cancelar a autorização dada à jornalista Monica Bergamo, da “Folha”, para entrevistar Lula. O ministro Ricardo Lewandowski havia liberado a entrevista durante o período eleitoral, mas Fux a barrou a poucos dias do primeiro

Continue lendo no Blog do Kennedy.