The Intercept escancara falhas da Lava Jato e lança discussões sobre ética e interesse público

Publicado originalmente no site objETHOS

A reportagem do The Intercept Brasil que divulgou mensagens do então juiz Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato caiu como uma bomba no início da noite de 9 de junho. Os chats privados revelam, principalmente, colaboração proibida entre Moro e Deltan Dallagnol. De acordo com o artigo 254, inciso IV, do Código do Processo Penal, “o juiz dar-se-á por suspeito, e, se não o fizer, poderá ser recusado por qualquer das partes se tiver aconselhado qualquer das partes”. Com base nisso, a defesa do ex-presidente Lula quer usar as mensagens para pedir anulação dos processos que o condenaram à prisão.

A publicação da reportagem a partir de informações vazadas por uma fonte anônima – e sem ouvir “o outro lado” – suscita discussões éticas bastante relevantes. Neste texto, vamos nos concentrar nas decisões editoriais do The Intercept, dos outros veículos que repercutiram o


Continue lendo no Observatório da Imprensa.