Sobre hackers, jornalistas e a informação fluida

(Foto: Farol News)

Publicado originalmente em objETHOS

A batalha de versões e contraversões surgida após a publicação de conversas do ministro Sergio Moro no site da organização jornalística Intercept colocou todos nós dentro de um redemoinho noticioso que é parte de um fenômeno definido como informação fluida. Trata-se de uma situação inédita que gera uma grande insegurança informativa na maioria das pessoas ao tornar imprecisos os limites entre o que pode ser considerado verdadeiro ou falso no noticiário jornalístico.

O caso Moro/Intercept colocou em evidência a necessidade de incorporarmos ao nosso quotidiano procedimentos como o da leitura crítica como uma forma de minimizar dúvidas e insegurança informativas provocadas pela multiplicidade de versões contraditórias cada vez mais apoiadas em questões tecnológicas sofisticadas. Leitura crítica pode ser definida, grosso modo, como a preocupação em questionar o contexto, credibilidade, relevância e exatidão de notícias publicadas na


Continue lendo no Observatório da Imprensa.