O caso de corrupção de agentes da PF de Minas é a ponta da história não contada da Lava Jato?

(Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Publicado originalmente em Histórias Mal Contadas

Pouco interessa se são ou não vinculados à força-tarefa da Operação Lava Jato os dois agentes da Polícia Federal (PF) de Minas Gerais que repassaram para três advogados cópias de documentos sigilosos de inquéritos em andamento. O fato é que esses documentos foram parar nas mãos da Andréa Neves, irmã do ex-senador e atual deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG). Os documentos foram encontrados durante a Operação Capitu, da PF, em novembro de 2018. E deram início à investigação que resultou na Operação Escobar, que no último dia 5 prendeu agentes federais e advogados. Como é do conhecimento, o deputado é investigado em nove processos no Supremo Tribunal Federal (STF) – há um vasto e farto material na internet sobre o assunto. E, até agora, a grande pergunta nos partidos de oposição, especialmente no PT,


Continue lendo no Observatório da Imprensa.