Roubo e inépcia levam país ao inferno da penúria

Quando Jair Bolsonaro ainda estava em campanha, seu Posto Ipiranga prometia zerar o déficit público no primeiro ano da nova administração. Era ilusão. Ainda estamos no primeiro semestre. E Jair Bolsonaro ergue suas preces ao Altíssimo para que o Congresso autorize o governo a emitir quase R$ 249 bilhões em dívida.

Se suas preces não forem atendidas, o capitão viverá um vexame dentro de duas semanas. Vai faltar dinheiro para despesas vitais. Bolsa família e aposentadorias, por exemplo. A encrenca tem um nome dourado: “regra de ouro”. Assim é chamada a norma que proíbe o governo de se endividar para pagar as chamadas despesas correntes —desde salário de servidor até conta de luz.

Ou o Congresso atende aos apelos do Planalto ou Bolsonaro ficará numa encruzilhada. Se cancelar as despesas, o presidente produzirá o caos. Se gastar sem o aval do Legislativo, fornecerá matéria prima para a abertura de

Continue lendo no Blog do Josias.