Carta da delação volta ao baralho de Paulo Preto

Operador de propinas do grão-tucanato de São Paulo, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, está assustado e transtornado. Assustou-se com o tamanho da pena que lhe foi imposta pela Justiça Federal paulista em condenação da última quarta-feira: 145 anos e 8 meses de cadeia. Transtornou-se com o pesadelo da filha Tariana Arana Souza Cremonini, sentenciada no mesmo processo a 24 anos e três meses de prisão. Emissário da família disse a pelo menos um integrante do alto comando do PSDB que as novidades devolveram a carta da delação ao baralho de Paulo Preto.

Personagem carimbado do álbum de figurinhas com potencial para carbonizar a biografia de figurões do PSDB, Paulo Preto foi engolfado por uma maré de azar. Sua rotina penal entrou naquela fase em que a quantidade de dificuldades é maior do que a capacidade dos seus protetores de fabricar facilidades. Passado na tranca pelo braço curitibano

Continue lendo no Blog do Josias.