Como em 1984, a sociedade civil se mobiliza na resistência democrática

A página 3 da Folha desta quarta-feira me fez lembrar o jornal de 35 anos atrás, onde eu trabalhava, quando a sociedade civil se organizou na resistência democrática à ditadura militar que então vivia seus estertores.

Sob o título “Comissão Arns, em defesa dos cidadãos _ Conquistas estão sob ameaça de retrocesso”, um artigo anuncia a nova mobilização da sociedade civil, desta vez para impedir que o Brasil seja novamente golpeado por um regime de exceção.

Em 1984, o país inteiro saiu às ruas em defesa das eleições diretas para a presidência da República, depois de 20 anos de generais presidentes, na maior campanha cívica da nossa História.

E a Folha foi o jornal das “Diretas Já”, desde o primeiro momento, acompanhando por todo o país as grandes manifestações pela volta da democracia.

Assinado por Maria Hermínia Tavares de Almeida, Luiz Felipe de Alencastro e Luiz Carlos Bresser Pereira, o

Continue lendo no Balaio do Kotscho.