Macron e a instabilidade do poder

Será que o povo pobre francês passou a detestar seu presidente Emmanuel Macron? É provável, e nesse caso é quase impossível uma reversão. Dois dias depois de sua mea culpa, só uma minoria dos manifestantes decidiu tirar seu colete amarelo, deixar de ir às barragens de veículos nas estradas, enquanto os restantes prometem um Ato 5, no drama pobres contra governo, cuja cena principal continuarão sendo as ruas ricas de Paris.

As novas tecnologias com suas redes sociais aceleraram o processo de desmonte ou de descredibilização das personalidades públicas, tanto quanto ajudam na criação de mitos. Marshall McLuhan tinha revolucionado, nos anos 60, a compreensão da penetração do discurso político com apenas uma frase – “o meio é a mensagem” – e as comparações decorrentes entre a força de uma mensagem pelo rádio ou televisão. Naquela época, não havia Internet.

Seguindo na mesma lógica, do meio é a mensagem, poderíamos


Continue lendo no Observatório da Imprensa.