Há mais violência criminal onde há mais armas. É fato, não gosto. Mas, hoje em dia, não há fatos fortes o bastante contra não-argumentos

Leiam o que vai na Folha. Volto em seguida:

Ainda que a ciência tenha como certa a correlação entre armas e violência criminal (aumenta um, aumenta o outro), esse debate tem ares de tiroteio. Ele deve se acirrar com a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que prometeu ampliar o acesso a armas para autodefesa —medida para a qual precisará do Congresso.

Atualmente, 55% dos brasileiros acham que as armas devem ser proibidas por representarem ameaça à vida dos outros, e 41% avaliam que possuir uma arma legalizada deve ser direito do cidadão que queira se defender.

Os dados são de pesquisa Datafolha de outubro deste ano. Em novembro de 2013, 68% achavam que as armas deveriam ser proibidas, e só 30% queriam armas liberadas.

De um lado deste debate está a hipótese da letalidade, em que o aumento de armas leva ao avanço dos conflitos com mortes, além


Continue lendo no Reinaldo Azevedo.