WhatsApp elege mas não governa

Foi antes de assumir que o governo Bolsonaro tomou sua primeira bola por entre as pernas. Como um goleiro vazado, viu, impotente, o Congresso aprovar o aumento dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal e, assim, comprometer o já comprometido orçamento de 2019. Para evitar um 7 x 1, terá que rapidamente nomear operadores com autonomia de decisão na Câmara e no Senado. Implica sair do núcleo familiar e que fala “Bolsomito” para expandir o círculo do poder aos políticos tradicionais que a retórica bolsonarista fingiu combater durante a campanha eleitoral. Se elege, o WhatsApp não governa. Ainda.

Jair Bolsonaro improvisou afagos aos congressistas durante sua visita de meio da semana ao que chamou de “um dos centros do poder”. Alisou com palavras o Legislativo e o Judiciário. “Obrigado, mas preferimos nossa parte em dinheiro”, foi a resposta silenciosa dos interlocutores, ao aprovarem em seguida o reajuste salarial dos

Continue lendo na Revista Piauí.