Leviatã e os lobos

O pensador Thomas Hobbes é conhecido por formular a tese segundo a qual, no estado natural, em que todos somos livres, “o homem é o lobo do homem”, ou seja, o homem está disposto a massacrar o outro para sobreviver e prosperar. Por essa razão, afirma que para viver em sociedade é essencial que cada homem delegue sua liberdade a um soberano – o Leviatã – que garantirá a segurança de todos os homens, evitando portanto que um devore o outro.

A fundamentação teórica do Estado westphaliano, modelo ocidental, baseado em instituições, corresponde ao soberano descrito por Hobbes e garantidor dos direitos fundamentais dos indivíduos. De acordo com essa lógica, são as instituições estatais que impedem que venhamos a cair na barbárie completa do “estado natural”. A dualidade do discurso da vitória de Bolsonaro feito ontem à noite dá sinais de que teremos tanto o Leviatã quanto o “homem lobo

Continue lendo na Revista Piauí.