#VocêsNão

Política sempre polariza a sociedade e as eleições presidenciais deste ano são protagonizadas por candidatos extremamente populistas, o que aflora nos eleitores um radicalismo quase incontrolável.

Se de um lado o debate político entre os candidatos é de baixíssimo nível, do outro lado os eleitores se comportam como verdadeiros hooligans lutando uma batalha sangrenta em que todos já são perdedores.

Postagens carregadas de ódio inundam as redes sociais e pessoas com as mais variadas ideologias vêm simplificando as demais de um modo inacreditável:

“Se você vota em X vou te excluir das minhas redes sociais”

“Machista” “Misógino” “Homofóbico” “Preconceituoso” “Nazista” “Fascista” “Ladrão” “Burro” “Adorador de esmola” “Bolsominion” “Comunista” “Defensor de Bandido”

Há ainda aqueles que se destacam pelo fato da humanidade que demonstram ser bem diferente da que pregam: “Tem que morrer” “São fascistas e fascista bom é fascista morto”.

Ora, meus caros, sério? Então é fácil assim, quem não


Continue lendo no Observatório da Imprensa.