Mensagem falsa diz que Haddad autorizou livro infantil que trata de incesto

Conteúdo Original Agência Pública.

Reprodução Livro “Enquanto o sono não vem”, distribuído pelo MEC entre 2015 e 2017: obra foi aprovada quando Haddad não era ministro

“Que tal estimular relação sexual entre pai e filha? Espanto? Esta é a leitura que foi disponibilizada pelo ministro de Educação [Fernando] Haddad enquanto esteve à frente deste ministério. O governo comprou e distribuiu para escolas e entre criancinhas um livro em que o pai castiga a filha por ‘não querer ser dele’. Você pensa que já tinha visto de tudo? Engana-se!!! Veja a reportagem.” – Corrente de WhatsApp sobre Fernando Haddad (PT), que circula acompanhada de vídeo com reportagem do jornal ESTV, da Rede Globo.

Circula no WhatsApp a informação de que um livro que estimularia o incesto foi aprovado, comprado e distribuído pelo Ministério de Educação (MEC) a escolas da rede pública, enquanto Fernando Haddad, atual candidato à Presidência pelo PT, era ministro. O Truco – projeto de checagem da Agência Pública – analisou a mensagem e concluiu que é falsa. O livro foi para a lista de materiais em 2014 e foi retirado em 2017. Nesse período, Haddad não era mais ministro da Educação.

Reprodução Corrente de WhatsApp sobre livro que foi autorizado pelo MEC

A mensagem é acompanhada de vídeo de reportagem do jornal ESTV, da Rede Globo, que foi ao ar no dia 1º de junho de 2017. Na ocasião, escolas do Espírito Santo denunciaram o livro Enquanto o Sono Não Vem, de José Mario Brant, às prefeituras, que recolheram a obra antes da distribuição naquele ano. O MEC, então, decidiu reavaliar sua decisão.

A polêmica em torno da obra se deu pelo conto “A triste história de Eredegalda”, um dos muitos do livro, publicado pela editora Rocco. A história conta o caso de um rei que pede para se casar com sua filha. Ela se recusa e é punida pelo pai, que a tranca numa torre sem poder beber água. No final, a princesa acaba aceitando a proposta do pai, mas ele muda de ideia e escolhe um marido para a filha.

O livro foi distribuído às salas de aula das turmas de 1º, 2º e 3º anos do ensino fundamental das escolas da rede pública de 2015 a 2017. Foi selecionado pelo processo seletivo do Programa Nacional do Livro Didático em novembro de 2014, durante a gestão do ministro Henrique Paim no MEC, no governo Dilma Rousseff (PT). Nessa seleção, as 210 obras aprovadas passaram por avaliação de uma equipe composta por doutores e mestres especialistas do Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita (Ceale) da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Em 2017, professores, pais, e até defensores públicos de vários estados questionaram o MEC por considerarem a obra inadequada para crianças. Assim, após parecer da Secretaria de Educação Básica, os exemplares distribuídos às escolas foram recolhidos e a obra foi retirada da lista de leitura.

No período de seleção e de distribuição do livro pelo MEC, Fernando Haddad era prefeito da cidade de São Paulo, cargo que ocupou de 2012 a 2016. O candidato foi ministro da Educação antes do ocorrido, entre julho de 2005 e janeiro de 2012.