UMA CRÍTICA À LITERALIDADE DO MÉDICO

A Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense promoveu, no dia 26 de setembro de 2018, um encontro para homenagear uma das fundadoras do PROALE, Programa de Alfabetização e Leitura. Glória Pondé, que também foi diretora da FNLIJ, Fundação Nacional para o Livro Infantojuvenil, faleceu em 2006 e seu legado só recentemente começa a ser redescoberto. Na apresentação de seu livro “A Arte de Fazer Arte, como escrever histórias para crianças e adolescentes” (Editora SESI-SP, 2018), Eliana Yunes, assessora em políticas de leitura da UNESCO, ao dizer que escrever para crianças está longe de ser “escrever qualquer coisa”, cita Ana Maria Machado, que diz que o escritor adulto deve ter uma habilidade a mais: “a de se fazer entender também por crianças”.

(Foto: Reprodução)

Recentemente recebi de diversos colegas médicos posts criticando o livro “O menino que Espiava pra dentro”, de Ana Maria Machado. Tentavam culpabilizar o livro, afirmando que


Continue lendo no Observatório da Imprensa.