50 tons de Temer na Dinamarca tupiniquim

“Estamos num lamaçal”, Álvaro Dias (Podemos), ao entrar nos estúdios da TV Record para o último debate no domingo 30/9, explicou à imprensa em uma frase porque quer ser presidente. Vestia, como a maioria dos candidatos, terno escuro sobre camisa branca e gravata azul, e demonstrava irritação e cansaço.

Geraldo Alckmin em debate na TV Record (Foto: Norma Couri)

Geraldo Alckmin (PSDB) veio atrás ainda mais esgotado e com voz baixa, lembrando apressado, “temos uma semana, é o que falta.”

Henrique Meirelles (MDB) chega, e com a dicção difícil mesmo depois das aulas de fonoaudiologia, se apressou a dizer que não havia sido procurado por Haddad nem por Bolsonaro para “salvar” o Brasil como sugere sua propaganda com o refrão “chame o Meirelles”. Mas, considerou, a partir do segundo turno “vamos conversar”.

Fernando Haddad (PT) quebra a sisudez do terno com uma alegre gravata vermelha de bolinhas brancas e o


Continue lendo no Observatório da Imprensa.