Marcio Sotelo: O fascismo é a forma mais perversa do centauro de Maquiavel

Jovens da Opera Nazionale Balilla, organização juvenil do fascismo italiano (Reprodução)

Por que dizer fascismo: o centauro de Maquiavel

por Márcio Sotelo Felippe, na Cult

O golpe de 2016, o cenário que o antecedeu e seus desdobramentos tiveram elementos de fascismo.

É imperiosa esta demonstração porque tem graves consequências para entender o que é a sociedade brasileira, o seu futuro e em que medida ou como podemos estancar o cruel retrocesso político, social e econômico que vivemos.

Dizer “fascista” pode ser às vezes um insulto gratuito. Mas trata-se de utilizar um conceito que tem uma base epistemológica perfeitamente identificável.

Para a Internacional Comunista, de inspiração stalinista, o fascismo era uma “ditadura terrorista aberta, constituída dos elementos mais reacionários, chauvinistas e imperialistas do capital financeiro”.

Colhe-se daí o caráter de classe e de ser uma forma de dominação capitalista.

Mas havia muito mais complexidades e o conceito ficou pobre quando

Continue lendo no Vi o Mundo.