Inversão de papel: repensar o jornalismo

De um lado, uma empresa que tem como objetivo empacotar a informação apurada ao longo do dia em uma edição de papel a ser distribuída na manhã seguinte. Do outro, um grupo que além do tal produto em papel, abastece um site 24 horas por dia com notícias em textos, fotos, vídeos e infográficos e distribui conteúdo e interage com os leitores também pelas redes sociais. Estas não são, na verdade, empresas em lados opostos, mas sim o mesmo jornal em momentos distintos, separados por um intervalo de mais de duas décadas. A transformação ocorrida neste período faz parte de um ciclo que ainda não está completo e que não pode ser concretizado sem mudanças expressivas em toda uma lógica administrativa, produtiva e comercial.

Mudanças de mentalidade, de comportamento e de ação prática no fazer jornalismo. É fundamental preservar a essência, o jornalismo reconhecido como utilidade pública, a informação verdadeira


Continue lendo no Observatório da Imprensa.