Corte Interamericana de direitos humanos condena estado brasileiro pela morte de Vladimir Herzog

A Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) condenou o Estado brasileiro pela falta de investigação, de julgamento e de punição dos responsáveis pela tortura e assassinato do jornalista Vladimir Herzog ocorrido há 43 anos. Na noite de 24 de outubro de 1975, dois agentes do DOI/CODI se apresentaram na sede da TV Cultura, onde Vladimir Herzog trabalhava. Após a intervenção da direção do canal, as forças de segurança aceitaram notificar o jornalista para que, “voluntariamente”, depusesse na manhã do dia seguinte. Vladimir Herzog se apresentou na sede do DOI/CODI na manhã do sábado, 25 de outubro de 1975. Ao chegar, foi privado de sua liberdade, interrogado e torturado. Durante a tarde, foi assassinado pelos membros do DOI/CODI que o mantinham preso. Nesse mesmo dia, o Comando do II Exército divulgou a versão oficial dos fatos. Afirmou que Vladimir Herzog se suicidara, enforcando-se com uma tira de pano.

O Instituto Vladimir


Continue lendo no Observatório da Imprensa.