Conversa com José Marques de Melo

Querido amigo Marques de Melo:

Recebi hoje a notícia da tua morte. Um infarto fulminante te levou para outra dimensão da VIDA. E faço questão de acentuar a palavra VIDA por não acreditar na morte. Sim, meu amigo: para mim não existe o processo da morte. O que existe é o processo da vida, do qual o falecimento físico faz parte.

E porque a morte não existe, faço também questão de pedir licença para te usar como interlocutor nesta “Janela do Diálogo”, que por coincidência hoje inauguro, como espaço de conversas abertas sobre JORNALISMO, área do conhecimento que muito te deve.

Começo por te dizer, amigo, que a convicção racional que me leva a descrer da morte conduz-me, também, à evidência de que pessoas como tu, que usaram o tempo e os dons da existência física para construir e reelaborar VIDA, vivas continuarão nos efeitos da obra realizada e nas


Continue lendo no Observatório da Imprensa.