A impulsividade na interpretação dos fatos ontem e hoje

No dia 30 de outubro do longínquo ano de 1938, o locutor da rádio estadunidense CBS Orson Welles leu, como se fosse uma notícia, trechos do romance A Guerra dos Mundos, de Herbert George Welles, que descrevia uma invasão alienígena na Terra. A “notícia”, divulgada em “edição extraordinária”, era, na realidade, uma estratégia utilizada pela CBS com o objetivo de superar a audiência da estação concorrente (NBC). No entanto, grande parte do público entendeu que a narrativa de Welles tratava-se de algo verídico. Após a encenação radiofônica do romance de H.G. Welles, ocorreram mortes, suicídios e milhares de pessoas fugiram dos supostos invasores.

De acordo com analistas midiáticos, alguns fatores foram decisivos para o êxito da falsa mensagem emitida por Orson Welles: o tipo de locução, os jogos sonoplásticos e a crença de que o rádio noticiava a verdade. O jornal Daily News resumiu na manchete do dia seguinte a


Continue lendo no Observatório da Imprensa.