Financiar obras no exterior não foi mau negócio, diz Rabello de Castro

O pré-candidato do PSC à Presidência, Paulo Rabello de Castro, afirmou que os empréstimos feitos pelo BNDES para obras de empresas brasileiras em países da África e da América Latina não foram um mau negócio para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Em entrevista ao “Jornal da CBN – 2ª Edição”, ele foi claro: “Não posso dizer que tenha sido um mau negócio”. Rabello de Castro presidiu o BNDES no governo Temer.

Segundo ele, “o único país que não está pagando é Mocambique”. Ele afirmou que a Venezuela atrasa, mas paga. Rabello de Castro considera que há garantias suficientes para esses empréstimos, feitos durante os governos Lula e Dilma.

Economista, ele avalia que o governo “reagiu mal” em relação à paralisação dos caminhoneiros e adotou uma solução que causará “dor de cabeça”. Disse que, durante a crise, apresentou ao governo proposta de realizar leilões de “oferta e demanda”

Continue lendo no Blog do Kennedy.