Paulo Preto é prova de que Lava Jato demorou a investigar tucanos

A suspeita de que Paulo Vieira da Costa tenha arrecadado R$ 173 milhões em propinas de obras viárias na gestão de Gilberto Kassab em São Paulo é prova de que era falso o argumento da Lava Jato de que seria mais difícil investigar a corrupção do PSDB do que a do PT.

Candidato a recordista de desvio na Lava Jato e nas operações filhotes, Paulo Vieira da Costa, apontado como operador do PSDB, teria cobrado comissão de um grupo de empreiteiras em obras viários em São Paulo entre os anos de 2008 e 2011. É a mesma lógica aplicada pelas empreiteiras na Petrobras, a de se organizar como cartel.

A Lava Jato dizia que era mais difícil investigar a corrupção de tucanos porque eles não estavam no governo central. Era o PT que detinha essa posição até a queda de Dilma Rousseff em 2016. Mas a Lava Jato demorou a

Continue lendo no Blog do Kennedy.