Uma espécie de milícia federal ameaça movimentos que resistem em Curitiba

por Rodrigo Vianna

A carta do Sindicato dos Delegados da Policia Federal/seção Paraná é um indicativo claro de que o setor da PF atuante na Lava-Jato se transformou numa espécie de milícia que silencia e ameaça movimentos sociais,  democratas,  sindicatos e todos aqueles que se opõem ao Golpe e aos abusos dessa operação parcial e eivada de ilegalidades (Lava-Jato).

É essa milícia que visita o acampamento durante a noite, que intimida e que abriga sob suas barbas provocadores como aquele que atacou a deputada Manuela (sim, a Milícia Federal deu guarida para o provocador, dentro de suas dependências).

Vejam abaixo o tom do comunicado desses delegados. É o tom de meganha da ditadura. É o mesmo tom dos que trabalhavam nos doi-codis/obans e deops.

Eles se referem aos movimentos que acamparam em Curitiba, em apoio a Lula e contra a prisão arbitrária, como “invasores” e “facções”.

A Milícia Federal mostra seus dentes.

Continue lendo no Escrevinhador.