Ecos do Carnaval 2018: “Ninguém mais sabe o que é o Brasil”

No baile do Copacabana Palace, com o tema “Gipsy”, o ator Diogo Vilella deu a melhor definição do Carnaval de 2018 aos historiadores do futuro:

“O espírito carioca sempre se sobrepõe à tristeza. Mas ninguém está feliz. Ninguém mais sabe o que é o Brasil”.

Ao mostrar de forma tão nua e crua a diferença entre alegria e felicidade, o ator da Globo questiona o que fizemos do nosso país.

A 400 quilômetros dali, no camarote do Bar Brahma montado no sambódromo paulistano, o filósofo pop Leandro Karnal filosofava, claro, procurando uma resposta para as angústias de Vilela.

Pela primeira vez num sambódromo, enquanto as escolas desfilavam, ele explicou à repórter Monica Bergamo o que estava fazendo ali: “Um experimento antropológico”.

E em seguida revelou a sua descoberta:

“Quanto mais triste for o ano, quanto mais dramática a política, mais o Carnaval é agitado”.

Agitação, para quem só viu pedaços

Continue lendo no Balaio do Kotscho.