30 anos depois de 1988, a eleição de outubro próximo também é um enigma

Ulysses Guimarães com o jovem marqueteiro Luiz Gonzales e a apresentadora de seu programa na tevê, Silvia Popovic. Foto Orlando Brito

Em 1988, em torno de 82 milhões de brasileiros estavam aptos a irem as urnas escolher o seu novo presidente da República, aquele que iria governar após José Sarney. A população do País era de 144 milhões de pessoas e fazia três décadas da última eleição direta para o Palácio do Planalto. O clima de liberdade após 24 anos do regime militar dava às ruas o colorido e a movimentação das campanhas.

Enorme era o tamanho e o interesse de cada cidadão em reconquistar e exercer o direito do voto. Vinte e dois concorrentes tiveram suas candidaturas homologas pelo Tribunal Superior Eleitoral.  Onde quer que você fosse, havia aglomeração de partidários, carreatas, caminhadas, panfletagem. Afinal, o voto direto para Presidente era uma novidade.

Brizola e Fernando Lyra. Brasília, 1988. Foto

Continue lendo no Os Divergentes.