Resoluções, por Luis Fernando Veríssimo

Videntes e profetas se aproveitam da falta de memória do público para manter suas reputações intactas, mesmo quando erram. É conhecido o caso daquele homem santo que viu, nos búzios, a morte do papa, e ficou célebre. Ninguém se lembrou de que ele previa a morte do papa todos os anos, um dia tinha que acertar.

Reportagens com videntes e profetas sobre o que nos espera no futuro, feitas no começo do ano, nunca são checadas no fim do ano para sabermos no que erraram e acertaram. As pessoas preferem a ilusão de um futuro conhecido, pelo menos por alguns iluminados, à realidade de um futuro imprevisível. Preferem ser enganadas a enfrentar o mistério.

Como no caso das previsões, são raras as resoluções de começo de ano que resistiriam a uma checada, no fim. Quais resoluções foram cumpridas, quais esquecidas, quais frustradas? Resolvi fazer um teste com as minhas próprias


Continue lendo no Blog do Noblat.