A eleição da incerteza

Para além de todas as especulações sobre candidatos de fora do sistema político – como Luciano Huck e Joaquim Barbosa -, um ator importante que deverá influir no enredo da eleição de 2018 ainda não tem papel definido: o governo federal. Hoje, Temer e companhia são a Geni de quase todos os presidenciáveis. Daqui a 10 meses, talvez o governo não sirva apenas para apanhar ou para cuspir. Se a melhora da economia se traduzir em bem estar da população, é capaz de um candidato ou outro vir a cortejá-lo.

Essa eventual mudança de cenário daria um palanque eletrônico para Temer se defender ao longo da campanha eleitoral, mas seria um complicador para Alckmin e os candidatos que pretendem ocupar o centro do espectro político conseguirem sair do dígito solitário que têm nas pesquisas de intenção de voto até agora.

A entrada de um candidato governista no páreo tende

Continue lendo no José Roberto de Toledo.