Tucanos que não puniram Aécio criaram crise partidária

Dias depois de o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ter defendido o desembarque do PSDB do governo Temer, o senador Aécio Neves, presidente do partido que está licenciado, retirou o colega Tasso Jereissati do comando interino da legenda.

Apesar de o gesto de Aécio ter sido classificado de autoritário pela ala pró-Tasso, ele está exercendo o poder partidário e legal que possui. Se tinha poder de indicar Tasso, também tem para derrubá-lo.

Há muito choro de perdedor nesse imbróglio. Aécio está lutando pela sobrevivênvia política e Tasso passou a jogar do outro lado. É a política como ela é.

Desde as revelações do caso JBS, em maio, Aécio caiu em desgraça. Independentemente do debate jurídico que se faz sobre a delação do grupo JBS, as revelações sobre o senador mineiro são graves e justificariam a sua renúncia ao comando do partido.

Mas os tucanos que se disseram perplexos ontem com a

Continue lendo no Blog do Kennedy.